Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

M.c | Matilde Carvalho – Negócios de Sucesso

M.c | Matilde Carvalho – Negócios de Sucesso

A galinha da vizinha é maior do que a minha

16.jpg

 

"O número dos que nos invejam confirma as nossas capacidades", Oscar Wilde

 

Quantas vezes paramos para apreciar o que os outros têm? Muitas. Faz parte da natureza humana olharmos à volta analisarmos o que temos e o que não temos, face ao que os outros têm. Até aqui tudo bem.

Mas como podemos fazer evoluir esse sentimento? Por um lado, podemos tentar perceber como é que os outros chegaram ao patamar em que se encontram. Definir um plano de ação realista que nos permita reunir as condições necessárias para chegarmos a esse limiar. Por outro lado, podemos assumir a inércia das lamentações, sem evoluirmos. Os outros tiveram mais sorte que nós, são filhos de pais ricos e generosos, moram em lugares onde há mais riqueza, e assim sucessivamente.

Se caminhamos pela opção um, muito possivelmente chegaremos com relativa facilidade e rapidez ao lugar cimeiro onde se encontram aqueles que definimos como modelo. Se caminhamos pela opção dois, muito possivelmente desenvolvemos sentimentos de inveja que nos irão tolher e controlar a ação.

Como podemos saber que a inveja se apoderou de nós?

  1. Maledicência - é o primeiro e mais óbvio sintoma de inveja. Procurar desvalorizar e apoucar o outro. Habitualmente, o maledicente surge apenas para lançar a confusão com algumas frases cómicas ou até com uma tentativa de defender o invejado, mas de uma forma tão subtil que acaba por apoucá-lo ainda mais.
  2. O justiceiro - apercebendo-se das desigualdades entre as pessoas na sociedade, o invejoso irá atacar e rebaixar os mais afortunados, desvalorizando tudo quanto têm ou conseguem. Surge como o grande líder preocupado com os mais fracos, mas afirma-se gradualmente como um destruidor de tudo o que tem valor, acabando por mobilizar as massas nesse sentido.
  3. O pessimista e o crítico - espera o pior dos homens e neles tem nenhuma esperança. Vê os lados negativos de todos os projetos e faz cair por terra em minutos todos os sonhos à sua volta. Leva o efeito contágio a todos, apelando aos nossos medos e à nossa preguiça natural. É normalmente também avarento, pois não quer partilhar nada com os outros, que apenas querem aproveitar-se dele com projetos que irão falhar. No fundo, assume que os seus feitos passados foram modelo de perfeição e que não fora a sociedade má à sua volta, teria ido muito mais longe.

Se já sentiu em si algum destes sintomas, cuidado. Pare e analise friamente tudo o que está dentro de si se isto voltar a acontecer. Possivelmente será apenas um dia mau, em que está mais frágil e se compara mais aos outros. Mas se começar a acontecer-lhe recorrentemente,  então deve começar a olhar mais para si e menos para os outros. Evite o caminho da autodestruição.

 

M.c

 

As 5 características dos empreendedores de sucesso

  1. Ficam feliz com o sucesso de outros para com eles criarem sinergias
  2. Não têm o dinheiro como objetivo principal, o foco é fazer com o dinheiro algo ainda maior
  3. Sabem quando é preciso fazer mais com menos, reduzindo no supérfluo e focando no essencial
  4. Promovem a dignidade e o respeito, motivando a equipa e criando uma equipa feliz à sua volta
  5. Querem provar algo a si próprios,e não apenas a quem está à sua volta

Post-9.-4-steps.png

 

 

Pág. 3/3

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D